Em tempos de alta do dólar, nunca foi tão importante fazer um planejamento sobre quanto, quando e onde comprar a moeda para economizar na sua próxima viagem. Calcular as despesas que você pretende pagar em dinheiro é o primeiro passo. Além de alimentação e compras, não deixe de reservar um valor extra para possíveis emergências.

 

Com esse cálculo estimado, e a quantia que precisará levar em espécie, como é impossível prever quando a moeda vai ficar mais barata, a melhor solução é comprá-la em pequenas quantias de tempos em tempos. Esse intervalo vai depender do período que falta para a sua viagem, podendo variar de uma vez por mês ou de duas em duas semanas. Considerando as oscilações do câmbio, isso vai garantir que você vai comprar o valor necessário pela cotação média.

 

Embora seja impossível prever quando a moeda vai ficar mais barata, além da compra “parcelada”, é sempre bom ficar de olho na cotação através do noticiário e de sites de casas de câmbio. Muitos fatos que acontecem nos cenários político e econômico, no Brasil e no mundo, têm o poder de fazer o preço do dólar subir ou descer num piscar de olhos. Por isso, não custa nada fazer esse acompanhamento informal para prever possíveis altas ou baixas e antecipar ou postergar a decisão de comprar a moeda.

 

Pesquisar também é outra palavra de ordem. Os preços do dólar variam e já é possível comparar a cotação nos sites de diferentes casas de câmbio. A única dica é ficar atento ao pacote de serviços oferecido pela corretora. Muitas vezes, algumas praticam preços um pouco mais caros, mas permitem a compra da moeda online ou por telefone, e entrega dos valores em domicílio, o que pode tornar a operação mais vantajosa pela comodidade e segurança. Algumas casas de câmbio também oferecem cotações melhores quando a compra é maior. Só não vale sair comprando tudo de uma vez.

 

Prefira sempre as casas de câmbio indicadas por pessoas de sua confiança e evite fazer negócio com “doleiros”. Por não estarem habilitados para realizar esse tipo de operação, você pode correr o risco de comprar moeda falsa. Deixar para comprar a moeda em aeroportos é outra péssima decisão. Normalmente, as casas de câmbio localizadas dentro dos aeroportos só funcionam em horário comercial, e o pior: são as que oferecem as piores cotações. Logo, o prejuízo é certo.

 

Da mesma forma, embora seja fácil encontrar casas de câmbio nas principais cidades turísticas onde a moeda é aceita, não deixe para trocar seus reais por dólares em outro país. Como o real não é uma moeda forte no exterior, a cotação oferecida é bem mais desvantajosa do que no Brasil.

 

Especialistas orientam que, na hora de viajar, a melhor coisa a fazer é diversificar os meios de pagamento. Mas, mesmo não sendo a forma mais prática e segura, a moeda em espécie oferece vantagens por conta dos tributos. Enquanto a alíquota do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) nos gastos feitos com cartão de crédito no exterior é de 6,38%, para compras de moeda em espécie, é de 1,1%. Portanto, se sua ideia é fazer uma boa economia, a melhor alternativa mesmo é comprar dólares antes de viajar. Nesse caso, siga as orientações acima, torne essa operação vantajosa, e aproveite os ganhos para tornar sua viagem ainda mais inesquecível.